Arquivo da tag: mídia

e-Carta aos meios amigos do Forró em Sorocaba

Amigos, peço 10 minutos de vocês para lerem este email se possível. Não precisa ler se não quiser 🙂

Já adianto que não é uma mensagem direta a alguém, mas se vocês conhecerem alguém que se interessaria em ler esta mensagem, sinta-se a vontade para reencaminhá-la.

A cada 2 anos, nós brasileiros passamos por um evento que ocorre geralmente no mes de outubro chamado eleições. Tenho notado, que para muitos de meus amigos esta é uma fase do ano chata e que não deveria existir. As eleições trazem consigo para algumas pessoas, uma palavra que traz um peso já manchado, a política. Este assunto então tem parecido, para alguns de meus amigos, tão chato e enojado que alguns chegam até a dizer “política não se discute”, como se política beirasse a religiosidade, como se falar de Dilma ou de Serra fosse como falar de Cristo ou de Maria.

Ora, meus amigos e amigas, gostaria de dar um recado aos que por ventura tenham essa impressão da política, vendo ela como algo que não vale mais a pena, que tanto faz votar em um ou em outro.

É possível sim, viver “a pesar” da política, dos políticos e do estado. Esta escolha nos levará a viver nossa rotina de acordatrabalhadivertedorme muito bem. Vai ser bem gostoso. Não precisaremos olhar para as feridas sociais de nossa cidade, como por exemplo o bairro do refúgio, nem precisaremos olhar para nosso estado e as feridas sociais dele, como a falsa educação que vemos (principalmente aqueles que são professores como minha mãe) que já não funciona faz tempo, nem precisaremos olhar para a federação, para o país, e ver as feridas sociais dele como o desmatamento da amazônia e os períodos de seca que começam a ocorrer em Santa Catarina (acreditem se quiser) como consequencia.

Essa primeira escolha nos fará resolver o nosso problema individual, e quem sabe o da nossa família. Vamos conseguir arrumar um bom emprego ou até mesmo empreender nosso próprio negócio. A vida vai passar, vai ser muito prazerosa. Alguns de nós enriquecerão, outros nem tanto (como é meu caso agora hehehehehe).

Na verdade essa escolha é muito favorável à alguns e por isso algumas mídias ajudam esse processo de alienação da vida social acontecer. Mas não se preocupe, dá pra viver alienado à política! E no dia de votar, tanto faz em quem votar. Posso até votar nulo ou branco, pois “meio que tanto faz”.

Existe no entanto meus amigos e amigas, uma segunda escolha, que nos obriga a tornarmos mais conscientes de nós mesmos, da nossa história enquanto país e de como está construída nossa sociedade atualmente, em cima de um modelo ao qual chamamos de democracia. Na verdade, esta escolha para muitos parece ser chata e impossível, mas isto é só uma imagem que implantaram em você que acha isso. A política pode ser feita através de uma conversa gostosa, agradável, numa mesa de bar. Política não necessariamente é discussão! Política não necessariamente é abuso de poder e corrupção! Não é!

Essa segunda escolha nos faz assumir nossos papéis numa dimensão que não existe na 1a escolha, o ambito social. E então nosso voto tem um outro valor, mesmo que pequeno, é “mais um”. Nesta segunda escolha, temos que minimamente entender o plano de nação ou de governo de cada um dos candidatos que estão disponíveis para quem a gente vai votar e um pouquinho de sua trajetória política.

Na segunda escolha, a gente tem que se abrir aos outros amigos para escutar a opinião deles sobre como é a cidade, estado ou país em que ele quer viver e também falar de qual é o nosso sonho para o local que vivemos. E então a arte da política, no meu entender, é chegar numa opinião nova, que não é nem a de um lado, nem a de outro, mas sim uma opinião consensuada que trará benefício a todos. Afinal, o sonho que eu tenho para sorocaba, deve ser diferente do sonho que cada um de vocês devem ter, embora próximos, um pouco diferente deve ser.

Então se um de vocês meus amigos me disserem “política não se discute” alguma vez, vou entender perfeitamente sua escolha! E talvez eu até te veja no forró cantando a música do Peixe Elétrico:
As regalias do prefeito
E a miséria do povo
Voces viram na eleição
Quem é que pode dar o troco
Mas é preciso ver direito
O que esta acontecendo aqui
Conquistar nosso direito
Você pode fazer mais
Pode fazer muito mais é só
Regalá, regalá, regalá o zóio

Mas saberei que você estará cantando uma música como quem canta “Rebolation tion, o rebolation”.

Finalmente, gostaria de dizer que a política não está perdida, assim como a democracia não está! Graças à internet, hoje podemos acompanhar por exemplo o twitter do Serra ou do Deputado Hamilton Pereira e saber o que eles estão fazendo. A gente pode mandar uma mensagem pra eles! A gente pode pedir projetos de leis! A gente pode!

Obrigado por ter lido até aqui a mensagem!

Abraços!

Obs: quem faz a 1a escolha, nunca será livre, pois sempre estará vivendo a escolha que fizeram por ele

Ronaldo Richieri – Sanfoneiro
(15) 8818-2009
http://richieri.com
skype: rrichieri
twitter: @richieri

Meu coração está aos pulos! Quantas vezes minha esperança será posta a prova? Por quantas provas terá ela que passar?
Tudo isso que está aí no ar: malas, cuecas que voam entupidas de dinheiro. Do meu dinheiro, do nosso dinheiro que reservamos duramente pra educar os meninos mais pobres que nós, pra cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus pais. Esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade e eu não posso mais. Quantas vezes, meu amigo, meu rapaz, minha confiança vai ser posta a prova? Quantas vezes minha esperança vai esperar no cais? É certo que tempos difíceis existem pra aperfeiçoar o aprendiz, mas não é certo que a mentira dos maus brasileiros venha quebrar no nosso nariz. Meu coração tá no escuro. A luz é simples, regada ao conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e todos os justos que os precederam. ‘Não roubarás!’, ‘Devolva o lápis do coleguinha’, ‘Esse apontador não é seu, minha filha’. Ao invés disso, tanta coisa nojenta e torpe tenho tido que escutar! Até habeas corpus preventiva, coisa da qual nunca tinha visto falar, sobre o qual minha pobre lógica ainda insiste: esse é o tipo de benefício que só ao culpado interessará! Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do meu povo sofrido, então agora eu vou sacanear! Mais honesta ainda eu vou ficar! Só de sacanagem!
Dirão: ‘Deixe de ser boba! Desde Cabral que aqui todo mundo rouba!
E eu vou dizer: ‘Não importa! Será esse o meu carnaval! Vou confiar mais e outra vez. Eu, meu irmão, meu filho e meus amigos.’
Vamo pagar limpo a quem a gente deve e receber limpo do nosso freguês. Com o tempo, a gente consegue ser livre, ético e o escambal.
Dirão: ‘É inútil! Todo mundo aqui é corrupto desde o primeiro homem que veio de Portugal!’
E eu direi: ‘Não admito! Minha esperança é imortal, ouviram? Imortal!’
Sei que não dá pra mudar o começo, mas, se a gente quizer, vai dar pra mudar o final!

Texto de Elisa Lucinda “Só de Sacanagem”